Clientelismo na administração municipal de Pelotas, existe? (clóvis veronez)

clientelismo 008

O clientelismo é um sub-sistema de relação política, com uma pessoa recebendo de outra a proteção em troca do apoio político.

Outro dia fiz referencia ao conceito de fisiologismo para definir determinados arranjos políticos em curso na cidade de pelotas com foco no pleito municipal que se avizinha. Hoje, quero dedicar meu comentário a um outro traço nefasto da cultura politica brasileira, com nítidos reflexos nas relações que se estabelecem, atualmente, na esfera do poder municipal. Trato aqui das relações clientelistas entre os que detém mandato e os que podem sustentar sua manutenção.

.clientelismo 001 clientelismo 006

A secretaria municipal de obras e serviços urbanos criou em sua estrutura de serviço, uma equipe destinada a atender pedidos provenientes de sua base no legislativo. Essa equipe, em detrimento do atendimento das demandas urgentes em bairros e vilas, em escolas, em praças públicas e outros espaços de uso da população, atende com status de prioridade os pedidos dos nobres parlamentares e seus interesses eleitorais.

Prática, essa, que pode ser definida pelo conceito tão condenado do clientelismo político.

Mas, vamos a um exemplo que comprova materialmente minha indignação e o traço perverso a que me refiro:

clientelismo 011clientelismo 010

As fotos acima são da tal equipe em ação no em terreno particular no entroncamento da Av. Juscelino Kubtschek com a rua Fernando Ferrari. Tal localidade é tratada sistematicamente com um cuidado “especial” de parte daquela equipe voltada a atender a “clientela” ( no caso segundo informação que colhi – vereador Salvador Ribeiro do PMDB-).

O terreno é de propriedade, segundo me informaram, do dono de uma grande revenda de automóveis aqui da cidade. Com certeza, o tal não deve ter condições de cuidar do entorno e com isso, para atender o pedido de um possível eleitor que reclamou do perigo representado pelo crescimento do capim e do mato a sua volta, o vereador intercedeu de forma “inesperada”: ao contrário de acionar o proprietário para que cuidasse da calçada do imóvel ou fizesse a limpeza, acionou a secretaria de serviços urbanos e pronto: todo mês ali está a cultura politica que se reproduz e indigna!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *