Esse não, eu quero o outro

Janot mandou Aécio para o STF. E Teori mandou FHC para Moro. Pra quê?

altacorte

Depois da inexplicável inação do STF diante da permanência de Eduardo Cunha, respingando crimes por todo lado e babando vingança contra Dilma.

Depois de mais de dois anos de sucessivos engavetamentos de todas as denúncias, suspeitas, listas, depósitos, confissões e indícios contra tucanos.

Depois de terem colocado a mais sagrada das instituições nacionais – a escolha do presidente pelo voto popular, que tomou vidas e décadas de vidas de brasileiros, sinto-me no direito de não ter a menor fé que qualquer destas iniciativas ande mais que um passo de formiga.

O STF abrir mais inquéritos sobre Cunha, Aécio ser denunciado no Supremo e eo enviar as menções a FHC para Sérgio Moro, a esta altura, não pode deixar de rescender a hipocrisia.

Sou, como cidadão, obrigado a cumprir as determinações das cortes de meu país. Não a considerá-las dignas.

Não sou dono da verdade, nem posso querer determinar como julgariam, embora pareça óbvio que um celerado não pode presidir um julgamento.

Mas a omissão foi uma chicana a que covardia alguma ficaria a dever.

Idem quando impediram, pelo silêncio, que Dilma pudesse lançar mão de um recurso político legítimo, que lhe daria fôlego para o embate político. Vai-se um mês e meio que não se examina o evidentemente parcial despacho de Gilmar Mendes que impediu Lula de ser Ministro da Casa Civil e falta pouco para que também isso perca o objeto – além da razão de ser , que já se foi – porque não haverá mais Dilma de quem ele possa auxiliar.

Dos dinheiros de empresas para campanhas, também muito não podem falar, porque assistiram impávidos Gilmar Mendes sentar-se indecorosamente sobre sua proibição e, com isso, tornaram-se co-responsável pelo vale-tudo financeiro de campanhas milionárias.

E mandar FHC para Moro? Francamente, só rindo. Arriscam-se a ouvir do juiz do Paraná: não é esse que eu quero, não, é o outro. Façam-me  o favor de trocar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *