Cidade amordaçada (clóvis veronez)

amordacada

 

Triste sucesso, caso lacrimoso,
Desgraça nunca vista, nem falada.
Muito embora, em mim, esperada
Ó cidade idiotizada!
Véspera do amanhã chorado
De tantos dias que estão por vir estranhos
Pois dediquei remédios aos já passados,
Sinto-me confuso e teimoso
Levou-me os impostos, me iludiu na esperança,
Fiquei sem tostão, real nem conta.
Pobre, pensei que fosse rico
Quando vi a avenida asfaltada
O padre, o pastor, o polícia
E o apresentador da TV 
Na política acomodados.
Drones, lágrimas e ventiladores.
Ninguém vê, ninguém fala, nem impugna,
E é que quem o miolo me arranca,
Arranca-me as mãos, a língua, os olhos.
Me ata aos trapos
Numa cidade amordaçada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *