Lázaro Ramos recusa homenagem no Senado

lazaro
“Neste momento não me sinto confortável e nem desejoso de nenhuma homenagem pois acho que o momento do país é de conscientização, de organização para compreender em que momento histórico estamos e quais passos precisamos dar para fazer com que a tão sonhada igualdade aconteça um dia de verdade.”

O ator foi condecorado com a Comenda Abdias Nascimento que premia pessoas que de alguma forma contribuíram na proteção e na promoção da cultura afro-brasileira.

O ator Lázaro Ramos recusou a Comenda Abdias Nascimento que premia pessoas que de alguma forma contribuíram na proteção e na promoção da cultura afro-brasileira.

Segundo informações que estão no site da bancada do PT no Senado, Lázaro conversou na última quinta-feira por telefone com o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da comissão que organiza a entrega das medalhas, e explicou que “neste momento” não se sente “desejoso nem confortável de nenhuma homenagem, em virtude da atual situação do País”.

Marcelo Rubens Paiva recusa prêmio do Minc: “Aceitaria se fosse de um governo eleito”

Nesta sexta-feira (4), o ator enviou um comunicado por escrito a Comissão da Comenda Abdias Nascimento formalizando sua recusa à homenagem.

Abdias Nascimento

O jornalista  e ex-senador, Abdias Nascimento, que morreu em 2011, aos 97 anos, é uma das referências do movimento negro brasileiro. Em 1948, junto com amigos, fundou o jornal O Quilombo, que deu voz a grupos sociais esquecidos pela grande mídia.

Quando a ditadura militar instarou Ato Institucional Nº 5, em 1968, Abdias Nascimento foi para o exílio e ficou 13 anos longe do Brasil. Ele também foi senador pelo estado do Rio de Janeiro  entre  1997 a 1999. Assumiu a cadeira no Senado após a morte do pensador brasileiro Darcy Ribeiro, em fevereiro de 1997.

Leia o comunicado de Lázaro:

Abdias do Nascimento foi um homem que estava na trincheira da luta pelos direitos da população negra e menos assistida do país.

Tem uma história de luta que é referência para todos nós que queremos um país mais igualitário.

Neste momento não me sinto confortável e nem desejoso de nenhuma homenagem pois acho que o momento do país é de conscientização, de organização para compreender em que momento histórico estamos e quais passos precisamos dar para fazer com que a tão sonhada igualdade aconteça um dia de verdade.

Então, por esse motivo, recuso essa homenagem na esperança de que tenhamos consciência de que o importante não é o aplauso pelo que foi feito e sim o próximo passo a ser dado”.

(do portal Fórum)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *