LUTE COMO UMA MENINA: ELAS SÃO “MASSA” DAS HUMANIDADES (clóvis veronez)

Já havia compartilhado a publicação da CTB – educação. Assim, este post, depois de assistir ao documentário, é um reconhecimento da luta anônima de milhares de meninas.

Explico: Recentemente uma estudante paranaense, Ana Julia, ganhou as páginas da rede e, também, a dos grandes jornais, em função direta do seu discurso na Assembléia do Paraná.

Voz pausada e consciência luminosa, de quem sabe deter a narrativa concreta da história.

Ontem, o Sul 21 destacou a presença e o discurso da Manu Schönhofen, na Assembléia Gaúcha, por idêntica lucidez. A Ana Julia, não conheço pessoalmente. A Manu, tive a oportunidade de conhecer e, antecipadamente à sua fala em Poa, emocionar-me por assistir, bem perto, a beleza contundentemente concreta (estética política e histórica) brotando daquele movimento que ela, a Manu, tão bem representava.

Sim, Ana Julia e Manu, são a mais justa expressão da vitalidade cidadã de um coletivo de meninas e meninos.

A razão maior da emoção que produzem no brilho de suas falas e da luta que representam, talvez, resida precisamente neste dado: há, ali nelas, um ideário humanista que anima suas performances  e são capazes de refazer a esperança no futuro.

Manu e Ana Julia são milhares delas e deles. Tomarão as suas escolas, tomarão as ruas e o mundo todo para fazê-lo justo e mais belo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *