Um brucutu-compadre no STF, coloca o tribunal sob suspeita

tesemoares

O Estadão publica hoje a estranha ironia de que o ministro da Justiça de  Michel Temer tenha, em sua tese de doutorado, registrado sua visão de que era incompatível com a isenção do Supremo Tribunal Federal a indicação de pessoas que ocupassem ministérios do presidente que estiver em exercício.

Como se sabe, Alexandre de Moraes vem sendo apontado como um dos possíveis indicados por Michel Temer para a vaga aberta pela morte de Teori Zavascki, o que o tornaria mais um dos nem tão raros “esqueçam o que escrevi” do PSDB.

Mas a indicação não é suspeita porque Moraes seja ministro, simplesmente.

É que Moraes é da cota de quem virou ministro por íntima ligação pessoal com Temer, tanto que, já nos dias anteriores ao golpe, ele era o único – além dos operadores apontados nos depoimentos da Odebrecht, Primo, Babel eAngorá – com presença garantidíssima no governo.

Nem é preciso que aqui se diga os mistérios que ligam ambos e que o mantiveram no cargo mesmo quando até oEstadão dizia que ele era “insustentável” ali e que só o “compadrio com Temer o garantia:

O maior problema é a inaptidão de Alexandre de Moraes, cuja vocação para o exibicionismo não combina com a discrição que o cargo de ministro da Justiça exige. Essa inclinação já havia ficado clara quando Moraes transformou em espetáculo a prisão de suspeitos de planejar atentados terroristas durante a Olimpíada, amplificando a ameaça em vez de tranquilizar a sociedade.

Mas só se surpreende com Alexandre de Moraes quem não o conhece. O paulistano teve a oportunidade de experimentar seu modo atabalhoado de trabalhar quando ele foi o “supersecretário” do prefeito Gilberto Kassab, entre 2009 e 2010, acumulando funções nos Transportes e nos Serviços. Naquele período, anunciou decisões sem comunicá-las ao chefe, teve de voltar atrás de medidas apressadas que atrapalharam o trânsito e, em meio a enchentes causadas pelo acúmulo de lixo em bueiros, disse que a cidade estava mais limpa do que nunca.

Só velhas relações de compadrio podem explicar como o dono desse desastroso currículo virou ministro da Justiça.

A se confirmarem as notícias dos jornais de hoje, explicarão também que vire ministro do Supremo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *