Um julgamento para entender como funciona “de verdade” a política (clóvis veronez)

TSE começa a julgar ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a julgar, às 9h, a ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014. O 
julgamento é considerado o mais importante da história do tribunal(na agência Brasil)

Seria lindo se não fosse falso!

O que ocorre, verdadeiramente, é a sequencia de uma farsa jurídica, inaugurada no golpe parlamentar, que subverteu a democracia brasileira.

tararuga

 

Processo

Após o resultado das eleições de 2014, o PSDB entrou com a ação e o TSE começou a julgar suspeitas de irregularidades nos repasses a gráficas que prestaram serviços para a campanha eleitoral. Recentemente, Herman Benjamin decidiu colocar no processo os depoimentos dos delatores ligados à empreiteira Odebrecht, investigados na Operação Lava Jato. Os delatores relataram que fizeram repasses ilegais para a campanha presidencial.

Melhor: os delatores disseram que fizeram repasses para o caixa dois na quase totalidade das candidaturas majoritárias e proporcionais, como, alias, sempre fizeram.

Em dezembro de 2014, as contas da campanha da então presidenta Dilma Rousseff e de seu vice, Michel Temer, foram aprovadas com ressalvas e por unanimidade no TSE. No entanto, o processo foi reaberto porque o PSDB questionou a aprovação, por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma e Temer, que teria recebido recursos do esquema de corrupção investigado na Lava Jato. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil da presidenta e do vice-presidente é julgada em conjunto.

No entanto o autor da ação (o PSDB), pós golpe que alavancou no congresso, passou a compor o governo golpista. Como não seria possível voltar no tempo, agora dá “uma curva” e pede a cassação apenas da ex Presidenta Dilma. Ponto final  (bizarro) de uma farsa.

Composição do TSE

O TSE é formado por sete ministros, dois oriundos do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes e Luiz Fux; dois do Superior Tribunal de Justiça, Herman Benjamin e Napoleão Nunes Maia Filho; e dois da advocacia, Luciana Lóssio e Henrique Neves. Nos próximos dois meses, termina o mandato de Neves e Luciana, que serão substituídos. O presidente Michel Temer já indicou para ocupar a vaga de Henrique Neves o advogado Admar Gonzaga, mais votado na lista tríplice enviada pelo STF.

Assim, nada avançará, para que tudo permaneça com está!

Mas vale ressaltar uma última reflexão maquiavélica: a de que os príncipes que não percebem os ventos da mudança e não mudam seu modo de proceder têm um destino certo: a ruína.

Assim, se, por um lado, ser maquiavélico se relaciona a esperteza, astúcia, a aleivosia e a maldade, por outro, de uma maneira mais ampla, os ensinados de Maquiavel constituem uma lição para políticos no que diz respeito à arte de se manter no poder.

O mal deve ser feito de uma só vez, ao passo que o bem deve ser feito aos poucos; deve-se ver a realidade tal como é, não como se deseja que seja; quem governa deve ser  temido pelos adversários e amado por quem é o responsável pela sua manutenção no 
poder — o povo. (Maquiavel)
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *