O GLOBO: Palocci contrata advogados para negociar delação

logo observatório
CURITIBA E SÃO PAULO — O criminalista Adriano Bretas assumiu a defesa do ex-ministro Antonio Palocci na Lava-Jato. A mudança atende aos novos interesses de Palocci, que iniciou tratativas para um possível acordo de delação premiada. Bretas atua em parceria com o também criminalista Tracy Reinaldet, que deverá conduzir a negociação do acordo.

(POR GUSTAVO SCHMITT / CLEIDE CARVALHO)

Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, na última quinta-feira, Palocci havia sinalizado que pode municiar a Lava-Jato com novas informações, como “nomes, endereços e operações realizadas”, capazes de “dar mais um ano de trabalho”. Ele deu a entender que falaria sobre a participação de uma importante figura do mercado financeiro no financiamento de campanhas políticas. O ex-ministro não detalhou o caso sob a alegação de que estava participando de audiência pública. Quando firmados junto ao MPF, os acordos de colaboração ficam sob sigilo.

O atual advogado de Palocci, José Roberto Batochio não foi localizado pelo GLOBO. Ele participa também da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro Guido Mantega. Palocci é o primeiro da cúpula petista a sinalizar com a possibilidade de dizer o que sabe.

Até agora, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, condenado a mais de 40 anos na Lava-Jato, se manteve em silêncio. O ex-ministro José Dirceu também cumpre pena sem se manifestar sobre a participação de outros integrantes do partido no esquema de corrupção investigado.

Na semana passada, depois que o empreiteiro Léo Pinheiro disse que o tríplex do Guarujá pertencia ao ex-presidente Lula, Batochio teria começado a reavaliar sua participação na defesa dos petistas. Pessoas próximas admitiam a possibilidade de ele se afastar até mesmo da defesa de Lula.

Crítico contumaz das delações premiadas, Batochio temia se ver em meio a um dilema ético de ter um cliente acusando o outro. Com a expectativa de Palocci firmar acordo de colaboração, Batochio teria que desqualificar o depoimento do ex-ministro, caso seja revelado algum fato que possa atingir Lula ou Mantega. Palocci foi cliente do criminalista em diversas outras ações nos últimos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *