Filme repetido (clóvis veronez)

não

Lá no começo do processo que levou ao “impitimam” da presidenta Dilma, a canastra toda vociferava, como agora, tratar-se de um processo jurídico pautado na lei, na constituição e o caramba. Lá pelas tantas, na ausência de provas, restou-lhes uma esquizofrênica (Janaína), rodopiando uma bandeirinha e gritando BRASILEIRINHOS! Ao final, admitiram tratar-se de julgamento político, comandado há época pelo Cunha, juiz naquela ocasião. E. todos viram, na M. que deu.

O filme se repete com outros atores, mas outra vez com a mesma produtora, ou seja, a Globo e seus associados. O processo é jurídico, não é político dizem eles.

Que não venham admitir mais tarde e, querer nos fazer engolir um gigolô de crianças, como presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *