O ocaso da quadrilha, diretas já e o campo popular (clóvis veronez)

diretas

I

logo observatório

Um tremor, sem escala que o meça,

Sacode  o ambiente da vida nacional.

O “governo” quadrilheiro de Michel Temer acabou!

Calma lá.

Não findaram as motivações que o engendraram.

Faça-se o espanto!

O Rei está nu!

II

diretas

A lacuna foi estabelecida!

Absorverá toda a pauta.

A jornada de lutas  por eleições diretas,

Já começou.

 A demanda central que se impõe

É a mobilização da sociedade civil

Da sua parcela mais lúcida

De uma “esfera” pública

Que medie a descrença na política e na própria democracia.

A História lançou jogou os dados

Façamos rolar

III

frente

Não existe caminho na divisão.

O que se passa é  incomum.

Desafia nossa capacidade de avançar

No rumo de uma sociedade mais justa

Democracia estável, participativa e direta.

 (Re) invenção, na perplexidade do tempo presente.

A unidade, do campo democrático popular.

O programa, para tal

É uma necessidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *