Duas faces, uma mesma moeda (por Silvia Bandeira)

#NAREDE – Silvia Bandeira

jovemjovem 1

Foram dois assuntos espinhosos.O da escola e seu teatro do mau gosto.O do rapaz tatuado na testa por um “suposto roubo de uma bicicleta”. Fiquei na reflexão, observando os palpites aqui e ali. Pensa comigo. Quando os pais pagam a mensalidade de uma escola privada eles esperam que seus filhos tenham uma boa formação certo? Que boa formação é essa?Entramos na subjetividade. Certamente formar um bom estudante com os conhecimentos necessários para seguir adiante na formação acadêmica e ter uma boa escolha profissional. Alguns querem o filho numa profissão como a deles, outros que sigam os seus sonhos. Alguém é ingênuo em pensar que a questão financeira não é importante para quem paga uma escola particular aos filhos? Para muitos isso é vencer na vida. Ter dinheiro suficiente para viver de forma confortável, sem preocupações em escolher as contas para pagar no mês, poder viajar, alimentar-se com muito além da cesta básica,usar roupas caras, ter bons carros. Alguém discorda de que isso é bom?Falei bom,não essencial, não definidor de felicidade. Até aqui tudo bem. Mas os filhos falam sobre as coisas da escola com os pais (ou deveriam). Olha só, mãe/pai/tia/avó eu vou ter que achar uma roupa de uma pessoa que “não deu certo” e ir vestida assim pra escola.O resto vocês elaborem no modelo “e se fosse você”. Isso é só uma parte de pertencer a um mundo diferenciado. Existe todo tipo de relato que vai desde o aluno confrontar os professores dizendo que estão ali porque são pagos por eles até situações em que ,diante do pésimo comportamento dos alunos, os pais obrigam a escola a relevar para não “tirar os filhos dali”. Tem mais.Casos de supervisão controlar o trabalho dos professores e dizer que os textos ou trabalhos estão inadequados porque dificultam a aprovação ou são muito “filosóficos”. Mais? Muito mais. A escola é só parte da vida de alguém. A formação humana está muito mais vinculada à família. Embora a escola seja muito importante. Ela é uma extensão.Mas isso quando os responsáveis estão presentes na vida dos filhos. Caso contrário ela é o farol, o fio condutor. Que responsabilidade educadores!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *