Há um ano, deste observatório (por clovis veronez)

Atuar, cada dia, pela construção da unidade possível e consequente,

onde cada um trate das suas convicções com carinho e lealdade.

Essas, que nos aproximam numa marcha solidária  na direção do futuro.

E onde cada um de nós ao lado do irmão comum,

que se alinha a outro, outra, pelos motivos do coração e da razão

possa valer, por mil deles

QUEM IRÁ HOJE ÀS RUAS E QUAIS SUAS BANDEIRAS?

A mobilização prevista para acontecer nas próximas horas foi originalmente convocada, no caso de São Paulo, por um acerto bilateral entre a CUT e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), liderado por Guilherme Boulos.

Rapidamente teve adesão dos principais movimentos sociais e entidades sindicais.

Partidos de posições conflitantes – como o PT, o PC do B e o PSOL – também acabaram, de uma forma ou outra, por se somar à iniciativa. Que em cada cidade ou estado é impulsionada por protagonistas distintos, correspondendo à capacidade maior ou menor de mobilização que cada organização possui.

Ao contrário do que se passa no Equador, por exemplo, onde setores de ultraesquerda se juntam à direita nas manifestações em curso contra o presidente Rafael Correa, aqui as principais forças progressistas, contra ou a favor do governo Dilma Rousseff, decidiram confluir, ao menos momentaneamente, em uma frente única contra o conservadorismo.

Repete-se, em certa medida, o cenário político do segundo turno das eleições presidenciais do ano passado. Acima de simpatia ou antipatia pela administração formalmente liderada pelo PT, o traço de identidade é o repúdio ao retrocesso.

Quem for às ruas neste dia 20 estará rechaçando os grupos reacionários que almejam quebrar regras constitucionais para encurtar o mandato presidencial, abrindo caminho para o estabelecimento de um governo sob sua hegemonia.

Alguns setores que estarão presentes nas mobilizações desta quinta-feira (20/08), provavelmente minoritários, gostariam que essa fosse a principal ou a única bandeira levantada pelos manifestantes.

Se assim fosse, os atos de logo mais poderiam ser entendidos puramente como jornada contra o golpismo e a favor do governo Dilma Rousseff.

Mas esta não é a realidade.

O rumo adotado pela presidente depois das eleições, particularmente em política econômica, mas também na composição dos ministérios, vem alimentando poderosa rejeição no campo social de esquerda, incluindo eleitores e ativistas tradicionais do PT.

O chamado ajuste fiscal conta com a oposição aberta das principais organizações sindicais e populares, mesmo daquelas dirigidas por petistas, como é o caso da CUT.

Elevação da taxa de juros, limitação de direitos trabalhistas e contingenciamento dos gastos públicos, entre outras medidas que vem provocando recessão, desemprego e redução salarial, contam com a repulsa de amplos segmentos progressistas.

A inexistência de reformas que transfiram para o capital parte da reestruturação do orçamento nacional, através de impostos sobre grandes fortunas ou dividendos de acionistas, por exemplo, também é motivo de protestos.

Por essas e outras, a mobilização que se avizinha será, ao mesmo tempo, resposta contra a direita e negação da atual política econômica. Defesa da democracia e denúncia de pactos, como o proposto ao redor da agenda de Renan Calheiros, que confrontam o caminho programático referendado pelo voto de outubro.

Quem tiver a expectativa que o 20 de agosto será uma data governista irá se frustrar ou poderá ajudar a danificar o frágil acordo político que antecedeu sua convocação.

Destino semelhante terão os agrupamentos e militantes que imaginaram o dia de hoje como momento de oposição “pela esquerda” à presidente Dilma Rousseff.

A linha de corte não é o apoio ou o rebate ao governo, mas o combate à agenda conservadora nas ruas, no parlamento e na própria administração federal.

Todo cuidado é pouco, aliás.

Diante da poderosa ofensiva das forças mais atrasadas do Estado e da sociedade, este foi o acordo possível para reagrupar o campo progressista e leva-lo de volta ao jogo.

 

10.1K

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *