Intolerância: a cena Santander (clóvis veronez)

Pobres de nós brasileiros, que chegamos a imaginar a consolidação da democracia como o maior legado para as gerações futuras, mas somos obrigados a retroceder nossas preocupações ao mais fundamental dos direitos: a liberdade de manifestação e expressão nas artes.

A cena Santander é típica da atmosfera obscurantista que grassa no País. É exatamente o drama que hoje envolve uma multidão de pessoas que vive de costas para a história e cultiva intolerância contra tudo e todos: intolerância política, racial, contra nordestinos, religiosa, contra homossexuais, enfim, intolerância.

Em nome da intolerância foi encerrada a exposição Queermuseu – Cartografias, em Porto Alegre. Essa mostra, com 270 trabalhos assinados por 85 artistas, entre eles nomes renomados como Leonilson, Lygia Clark, Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Clóvis Graciano e Di Cavalcanti, abordava a diversidade de expressão de gênero e a diferença na arte e na cultura.

Ataques violentos por parte de alguns visitantes, além da campanha agressiva nas redes sociais fizeram com que os responsáveis pelo espaço cultural resolvessem fechar a exposição prevista para se estender até outubro.

Crédito: Reprodução

o jardim das delicias

Imaginem só: não fosse uma mostra sobre as relações poliafetivas que caracterizam a vida em pleno século XXI, fosse, talvez uma mostra renascentista que expusesse, por exemplo, a obra de Bosch e o seu enigmático “Jardim das delicias”(1480).  Ou contemplasse as gravuras originais do kama Sutra, lá dos século I. Ou, pautada na contemporaneidade, poemas a partir de títulos pornográficos que alimentam, no sigilo da intimidade moderna, a mais poderosa industria cultural da atualidade. Só pra destacar a relevância, desse ultimo exemplo, vão ai alguns dados: 

12% dos sites que existem na internet são pornográficos – ou, em números atuais, 76,2 milhões; 25% das pesquisas em ferramentas de busca envolvem sexo – o que dá 750 milhões de consultas diárias; 35% dos downloads são pornográficos.

São dados que revelam a hipocrisia da “cena” Santander.

A democracia, mais do que um sistema de governo, afirma-se na prática da liberdade e da igualdade entre os cidadãos, o que implica no direito à vida e no respeito aos valores e à individualidade de cada um. Nesse campo, a intolerância é dos grandes inimigos dos ideais democráticos.

O que se vê, hoje, com certeza, é a mais cínica e obscena afronta as liberdades democráticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *